Home > Navegue

A PALAVRA FINAL

A palavra final não é a que podem pronunciar ao encerrar uma conversa, uma comunicação, um assunto. A palavra final está embutida no meio de qualquer tema que estejam a desenvolver, assim também, está no impronunciável, no ocultado, no segredado.

Quantos de vocês conseguem perceber que já disseram o que se fazia necessário, já comunicaram o que queriam e ainda assim, persistem no desenvolvimento de temas que já foram assimilados, entendidos e muitas vezes até esquecidos?

Poupar palavras desnecessárias é poupar energia, e impedir os excessos, os comentários impertinentes que o prolongamento das conversas facilita.

Observamos alguns em seus momentos de desatenção e percebemos o quanto estão a acrescentar de impropriedades a um assunto que já foi finalizado, não só entre os que estão a abordá-lo como ainda por outros que lhe desconhecem o teor verdadeiro, a palavra final que já foi dita.

Prestem mais atenção ao que pronunciam, limitem-se ao que for indispensável, não usem suas capacidades comunicativas para ir além do que a situação exige. Digam o que é preciso e somente isto.

Silenciem os pronunciamentos ampliados, o riso irônico, o deboche através de um comentário maldoso, a pouca atenção e respeito por quem os está a ouvir. Quando não tiverem nada de produtivo, edificante e esclarecedor para comunicar, façam silêncio, é mais saudável e agradável a todos.

Onde reside a necessidade de continuar falando quando tudo já foi dito? Dificuldade de escutarem a si mesmos? Incapacidade de conexão com sua essencialidade?

Todo cuidado é pouco quando estão interagindo com os irmãos em desajuste, em sofrimento de toda ordem, carentes de estímulo e conforto e fragilizados em suas capacidades elementares.

A condição do que busca ajuda é delicada e não estão em condições de ouvir sermões, ironias, exemplos mais danosos do que seu próprio momento e sugestões que muitas vezes não compreendem.

Tratem seu irmão em sofrimento como uma jóia rara, um cristal delicado, que poderá romper-se quando não cuidado em sua singeleza.

A palavra final está dentro de um comunicado curto, sucinto, agradável e apaziguador, o resto é dispensável. Quanto menos falarem e mais ouvirem tanto melhor para todos os envolvidos, atendentes e atendidos.

Fazendo uso do recurso que estamos a orientar, terminamos aqui, acreditando que entenderam o que foi enunciado.

Sempre com vocês.

 

Anabando

 

 

Recebida pela Magali em 25.11.2009

Revisão: Clovis