Home > Navegue

PRA TI - PARTE III

Como estás lidando com a dor que dilacera as entranhas, confunde o pensar e te faz sentir impotente? O que estás fazendo para minimizar teu sofrimento? Onde estás buscando – se o fazes – apoio, conforto, solidariedade? Quem tem estado ao teu lado tendo um gesto de carinho, fazendo-te menos solitário em teu sofrer?

Sabe, pra ti, que tens chorado em momentos de desespero, que não consegues vislumbrar um instante de alívio, que em alguns momentos pensas que melhor seria deixar este plano onde te encontras – por ignorares o que a antecipação do retorno à espiritualidade ocasiona em quem o faz – que te sentes como o único em tal estado de sofrimento, nós te apontamos questionamentos para que não desperdices a oportunidade de crescer através de tudo que te aflige. 

Como fazer? Admitindo que precisas ser cuidado, que não és tão autosuficiente quanto gostarias, que precisas de alguém a teu lado para desabafar, para te ouvir – em instantes de extrema dor – brigar com Deus, dizendo que Nele não confias mais, para secar tuas lágrimas e te dar um abraço fraterno.

Estamos sempre atentos a todas as dores e muitas vezes interferimos sem que nosso auxílio tenha sido pedido, entretanto, muitos de vocês – como tu, quem sabe – ao invés de postar-se humildemente a pedir socorro, ficam imobilizados pretendendo que tudo lhes caia em mãos como por milagre. Esquecem que o “milagre” é cada um que faz, através de sua fé, de sua entrega confiante aos desígnios do Mestre, que, ainda que humanamente possam se sentir em desespero, conseguem pedir ajuda ao outro e – muitas vezes – através deste outro à Deus.

Não aleguem que a dor os impossibilita de pensar, de acessar o que há de melhor em cada um; já experimentaram entregar-se a ela, deixar que ela os leve não a pensamentos negativos de desistência da vida humana, mas sim, a um pedido suplicante de misericórdia, de forças para suportar o que parece tão insuportável?

Lembrem, também, que o hoje é consequência do que fizeram no ontem e que, na maioria das vezes, estão drenando através de todo tipo de dor o que ainda se mantinha impregnado em seu espírito, como formas de agir que – em se mantendo – reproduziriam os enganos do passado. Ninguém está sendo punido, pelo contrário, estão recebendo a oportunidade que pediram para liberar-se de atitudes viciosas que tanto dano já lhes causou em outras oportunidades vividas.

Respeitem a chance que estão a receber e não pensem na desistência, na renúncia à vida (na matéria) como solução para as dores com as quais estão se defrontando.

Esperamos que nossas perguntas, nosso alerta e o saber que não estão – JAMAIS – sozinhos façam com que revejam suas atitudes e pensamentos e possam se sentir reconfortados e assim se ligarem à espiritualidade seja de modo direto ou através de outro que os auxilie em tão delicado momento.

Temos certeza que nesta Casa de Amor e Aprendizado encontrarão quem se disponha a generosamente auxiliá-los.

Não desistam. Nós estamos aqui.

 

Anabando

 

 

 

Recebida pela Magali em 23.08.2010

Revisão: Clovis