Home > Navegue

LIBERDADE

Observem um pássaro preso em uma gaiola. Ele não nasceu para assim viver. Sua liberdade deveria ser considerada, mesmo por aqueles que referem estar cuidando bem do animal e que ali, engaiolado, está protegido dos perigos da natureza.

Assim, como um pássaro sem liberdade, é que muitos se colocam frente à vida, não porque alguém assim determinou, mas por suas próprias dificuldades em voar, embasados no solo, em busca do que entendem seja o melhor para que seus crescimentos espirituais se tornem realidade.

Mesmo, e principalmente, quem lhes acena com uma gaiola dourada, plena de segurança e conforto não tem o direito de querer aprisioná-los em suas pessoais verdades, seus inabaláveis conceitos e suas próprias limitações.

Entretanto observem um pássaro livre. Ele muitas vezes voa em bando, pois agrupado está protegido por seus iguais e mesmo que possa se machucar está vivendo conforme suas características.

Tal coerência entre essência e realidade deveria nortear suas atitudes, pois quando desconsideram tal conexão deixam de se respeitar e de fazer o melhor por si.

Muitos alegam que são dependentes, carentes, sentem-se indefesos, desprotegidos, mas será que esta é a verdade, será que ocupam um corpo físico para deste modo se posicionar?

Acreditamos que não, visto que quando se permitem ser aprisionados por vontades externas ou por vontade própria estão desistindo de se tornarem melhores, de fazerem o bem a si e aos outros.

O pássaro canta mais e melhor quando voa em liberdade.

Vocês iluminarão suas essências ao se assumirem com direito a uma plena liberdade.

Não referimos irresponsabilidade, apenas que cumpram o que precisam seja em relação a si ou aos demais, usando desta prerrogativa essencial para a concretização de qualquer projeto que os leve a um viver livre.

Para que tal ocorra será preciso que se sintam libertos internamente, uma vez que, aprisionados em suas dificuldades, ampliando suas limitações, remoendo pensamentos e proposições que não chegam ao mundo externo, somente atrasam seus avanços espirituais.

O pássaro só precisa que lhe abram a gaiola, pois mesmo com dificuldades iniciais, logo estará voando, pois esta é sua natureza.

Vocês só precisam despertar para o quanto recebem e pouco aproveitam daquilo que a espiritualidade lhes alcança, para que possam sentir plenamente a liberdade de ser, sentir e fazer o que suas essencialidades precisam.

Este pode ser o momento adequado para que olhem o mundo lá fora, mesmo que seja de suas prisões autoimpostas e, resolutamente, optem por libertar-se do que lhes impede a evolução espiritual.

Reflitam em que ou em quem se aprisionaram.

 

Anabando

 

Recebida pela Magali em 08/05/2014
Revisão: Clovis