Home > Navegue

INSTRUÇÕES DO CAMINHEIRO

(Fundação da Nossa Casa)

Não esqueçam amigos da grande responsabilidade que assumistes diante do Criador e de vossas consciências despertas. Sejam cautelosos nos vossos primeiros passos, ainda existe a poeira da caminhada a nos tolher a serenidade, ainda existe a vibração negativa a nos envolver, oportunizando possíveis confusões que servem ao mundo denso do astral inferior. Busquem manter-se o mais unidos possível, pois a fragilidade da corrente do mundo corpóreo é fácil de romper-se, dadas as paixões que habitam no homem. Todos são necessários, todos foram chamados a participar do trabalho, todos têm sua tarefa e todos são comprometidos com o Eterno Bem.

Acautelem-se em decisões mais sérias para não terem que voltar no caminho. Sejam previdentes e solicitem mais a inspiração do Alto. Procurem libertar-se do personalismo quando forem tratar de tudo que se relacionar a Nossa Casa, ela assim o merece e nós carecemos de que assim seja, para melhor inspirarmos a todos os que se comprometeram a ajudar-nos. Não esqueçam, a obra é Divina, sois os meros realizadores no plano da vida material, pois não nos é dado a isso realizar. São os intermediários da obra que é de muitos, é de todos nós, libertados e escravizados na matéria.

Temos procurado vos trazer calmos, tranquilos, unidos e fraternos, ajudem-nos a isso conseguir, serenando vossas angústias e receios e confiando mais na nossa capacidade de ajudá-los. O momento atual é de experiência, de teste, de avaliação, ainda carente de afixação. Dependerá muito da reação e adaptação de cada um para a estrutura se fixe.

Não será possível incorrer novamente em erros, não será justo confundir-vos, não será permitida nova destruição. A obra terá que ser realizada, embora com sacrifício. Somos capazes de auxiliá-los, somos capazes de inspirá-los, mas cabe a cada um dar o melhor de si em humildade e fraternidade.

Não será possível, dada as condições dos homens em seus reencontros, evitarem conflitos, mágoas e insatisfações, mas o ideal nobre arrefece a luta individualista a bem da causa comum, “oportunidade para todos direito de todos”. Se não conseguirdes isso realizar é porque ainda não entenderam o que esperamos de todos vós.

A fraternidade é tolerante, caridosa e altruísta. Pautai vossas atitudes por esta forma de conduta e fácil será conduzir a Nossa Casa. A vós cabe administrar a vida material, a nós cabe conduzi-los pelos caminhos até a conquista da finalidade que buscamos, ter na crosta a casa similar da Nossa Casa.

Sempre estaremos atentos, pois a nós foi confiada a Nossa Casa, ela deverá se afirmar através do tempo para que se eternize na sua finalidade libertadora.

Não tentem escravizar e impedir a liberdade de cada um em realizar a sua tarefa. No entanto, o ato de disciplina deve ser realizado sempre, para que a obra seja harmoniosa, equilibrada e perfeita, como pode ser perfeito aquilo que pertence à vida material para que novas lutas e paixões não venham a reascender. Alguns se reconhecerão, outros poucos perceberão, mas todos deverão lutar por estabelecer laços de concórdia, de paz e harmonia. O trabalho de cooperação a isso ajudará, cada um auxiliando a seu irmão vencer a dificuldade de sua posição.

Não esqueçam que a grande responsabilidade sobre os destinos da Casa cabe ao Conselho Espiritual. Através dele sereis conscientizados das necessidades primeiras, das finalidades a serem alcançadas, de quem está apto a desempenhar as grandes responsabilidades que advirão. O Conselho Espiritual é a cúpula do trabalho administrativo, dentre em breve lhes será apresentado o elemento de ligação direta ao grupo administrativo. Nós damos tempo, até que as condições ideais para nosso intento correspondam. Até lá, continuaremos a nos servir deste aparelho que recebeu a responsabilidade de levar pelo caminho a todos vocês que chegaram junto dela.

Ajudem-na a cumprir a dura missão que pediu, reagregar aqueles que se dispersaram em vidas passadas. Ela muitas vezes ao se omitir, problemas maiores cria, e não permitiremos que a omissão consciente leve ao mau entendimento do que nos propusemos realizar com a vossa ajuda, com a vossa dedicação, com a vossa aquiescência de estarmos juntos, realizando a obra de restauração pelas destruições muitas que causamos.

Sejam prudentes e aceitem-na como a grande amiga, ela saberá sempre estabelecer a concórdia, a paz e a harmonia quando necessário se fizer. O nosso apelo será constante, conhecemos as dificuldades que terão de enfrentar, mas junto estaremos na luta pela sobrevivência, e a vitória do Grupo Libertação.

Que o Divino Amigo seja em nossos corações para que a fraternidade reine em vós os libertos.

 

O Caminheiro

 

 

Mensagem recebida pela Nydia em 17.09.1971